"Nosso Senhor olha por todas as necessidades, no tempo oportuno, se nos abandonar-mos a Ele."
Padre Dehon

2017: Paz, prosperidade e benção

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2017 - 05h22

Mas a paz não pode permanecer somente um desejo ou voto, ela precisa ser construída, durante todo o ano.

          Abriu-se o ano de 2017 e foram muitos os votos de paz, prosperidade e bênçãos que recebemos e desejamos às pessoas de nosso convívio. Fizemos nossos o canto e a mensagem do anjo do Senhor aos pastores na noite de Natal, nos arredores de Belém: "Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens que Ele ama" (Lc 2,14).

          O início do ano é, realmente, o momento apropriado para se desejar a paz às pessoas. Mas a paz não pode permanecer somente um desejo ou voto, ela precisa ser construída, durante todo o ano, por cada um de nós, a partir do recanto mais íntimo de nossa vida, a família.

          O Papa Francisco, na mensagem para o dia mundial da Paz, assim se expressou: “Se a origem donde brota a violência é o coração humano, então é fundamental começar por percorrer a senda da não-violência dentro da família. É uma componente daquela alegria do amor que apresentei na Exortação Apostólica Amoris laetitia. Esta constitui o cadinho indispensável no qual, cônjuges, pais e filhos, irmãos e irmãs aprendem a comunicar e a cuidar uns dos outros desinteressadamente e onde os atritos, ou mesmo os conflitos, devem ser superados, não pela força, mas com o diálogo, o respeito, a busca do bem do outro, a misericórdia e o perdão”.

          No início do ano desejamos também prosperidade. Quando pensamos em prosperidade, em geral, pensamos na prosperidade econômica e social e desejamos que as pessoas tenham melhores condições de vida. É justo pensar assim e desejar um tempo melhor e de menos aperto financeiro. Quando falamos de prosperidade devemos ir além, como bem recorda o Papa Emérito Bento XVI: "há riquezas preciosas na nossa vida que podemos perder e que não são materiais".

          No entanto, devemos pensar em tantas pessoas que diante de graves perdas ou conflitos, ou por influência de ideologias, ou por afastamento da Comunidade decaíram duma situação de grande prosperidade, a alta dignidade cristã, perderam a orientação segura e firme da vida, se afastaram de Deus, perderam uma grande riqueza. Desejar prosperidade é desejar um novo encontro com Jesus, o Cristo, o Filho de Deus (cf Mc 1, 1), que pode voltar a recuperar a alta dignidade e ensinar-lhes a estrada.

          Desejamos a bênção, abençoamos e somos abençoados. A Igreja nos abençoa e devemos abrir o nosso coração ao fluxo sempre novo desta bênção. Ela traz em si uma força criadora, regeneradora, capaz de aliviar qualquer forma de cansaço e de garantir um vigor perene na nossa missão.

          Que Ele derrame sobre nós suas bênçãos e nos guarde sãos e salvos todos os dias deste ano.

Dom Sergio de Deus Borges - Bispo Auxiliar de São Paulo

Álbum de fotos

apoio
O
Copyright© candelaria.org.br. Todos os direitos reservados / All rights reserved.