"Falar com eloquência é muito bonito, mas agir com prática é muito melhor."
Padre Dehon

Papa no Angelus: distantes de Jesus e de seu amor, nos perdemos

Domingo, 22 de Julho de 2018 - 10h27

Com Jesus ao lado se pode prosseguir com segurança, se podem superar as provações, se progride no amor a Deus e aos próximo. Jesus se fez dom para os outros, tornando-se assim modelo de amor e de serviço para cada um de nós”, disse Francisco.

          Cidade do Vaticano

          Sem a verdade, que é Cristo mesmo, não é possível encontrar a justa orientação da vida. Quando nos distanciamos de Jesus e de seu amor, nos perdemos e a existência se transforma em desilusão e insatisfação.

          Foi o que disse o Papa Francisco na alocução que precedeu a oração do Angelus, ao meio-dia deste domingo (22/07), na qual se deteve sobre à página do Evangelho proposta para a liturgia do dia.

          O Evangelho de hoje (Mc 6,30-34), disse o Papa, nos conta que os apóstolos, após a primeira missão, voltam a Jesus e lhe falam tudo aquilo que tinham feito e ensinado. Após a experiência da missão, certamente entusiasmante, mas também cansativa, frisou Francisco, eles precisam de repouso.

          O Pontífice ressaltou que Jesus se preocupou em assegurar-lhes um pouco de alívio, convidando-os a um lugar deserto onde pudessem recobrar as forças, mas que a multidão, tendo intuído para onde iam, correu chegando ao lugar antes deles, mudando assim o programa.


Flexibilidade e disponibilidade às necessidades dos outros

          O mesmo pode acontecer também hoje. Por vezes não conseguimos realizar nossos projetos, porque se dá um imprevisto urgente que acaba com nossos programas e requer flexibilidade e disponibilidade às necessidades dos outros.

          Nessas circunstâncias, exortou o Papa, somos chamados a imitar aquilo que fez Jesus: Tendo descido da barca, ele viu uma grande multidão, teve compaixão dela, porque eram como ovelhas sem pastor, e se colocou a ensinar-lhes muitas coisas.

          Francisco destacou que o evangelista nos oferece aí um flash de singular intensidade, fotografando os olhos do  Divino Mestre e seu ensinamento. Observamos os três verbos deste fotograma: ver, ter compaixão, ensinar. Podemos chamá-los os verbos do Pastor.

          O olhar de Jesus não é um olhar neutro ou, pior, frio e distanciado, porque Jesus olha sempre com os olhos do coração. E seu coração é tão tenro e repleto de compaixão, que sabe colher inclusive as necessidades mais escondidas das pessoas.


Jesus Cristo, realização da solicitude e cuidados de Deus para com seu povo

          Francisco frisou ainda que Cristo mostra com isso a atitude e a predisposição de Deus para com o homem e a sua história. Jesus se apresenta como a realização da solicitude e cuidado de Deus para com o seu povo, acrescentou.

          O Papa quis evidenciar que o primeiro pão que o Messias oferece à multidão faminta e cansada é o pão da Palavra. Todos nós precisamos da palavra da verdade, que nos guie e ilumine nosso caminho, prosseguiu.

Fonte: www.vaticannews.va

  • Relacionadas

  • O desejo de constituir família

    Sábado, 16 de Março de 2019 - 08h21

    As ciências confirmam o que foi constatado no Sínodo extraordinário da família, o ideal de família está no horizonte de nossos jovens e adolescentes.

  • Papa Francisco: eliminar do mundo os muros da divisão

    Sábado, 28 de Julho de 2018 - 10h38

    Mensagem de Francisco aos participantes da III Conferência mundial sobre “Ética teológica católica na Igreja”, que se realiza em Sarajevo, na Bósnia-Herzegovina.

  • Papa Francisco: trabalho significa dignidade, significa amar

    Terça-feira, 01 de Maio de 2018 - 10h55

    No Dia do Trabalhador e de São José Operário, repropomos alguns pronunciamentos do Papa Francisco a respeito do trabalho e do trabalhador.

  • Décima meditação: a bem-aventurança da sede

    Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018 - 18h06

    Pe. Tolentino fez a décima e última meditação dos Exercícios Espirituais em Ariccia. Papa regressa hoje ao Vaticano.

  • Nona Meditação: Escutar a sede das periferias

    Quinta-feira, 22 de Fevereiro de 2018 - 18h44

    Na nona reflexão proposta ao Papa Francisco e à Cúria romana, o padre Tolentino recordou que as periferias “não são somente lugares físicos, são também pontos internos da nossa existência, são lugares da alma que têm necessidade de serem pastoreados”.

Álbum de fotos

apoio
A
Copyright© candelaria.org.br. Todos os direitos reservados / All rights reserved.