Preparação para o Sacramento da Reconciliação

Ninguém cresce sozinho, nem na vida biológica, nem na vida profissional, nem na vida cristã. Precisamos uns dos outros. Jesus “deu aos Apóstolos (e seus sucessores) o poder de perdoar pecados:” “a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados” (Jo 20,23)

Sacramento da Misericórdia de Deus

Por que se confessar?

Porque é o Sacramento da Misericórdia de Deus. Quase todo dia a gente cai e se levanta. Ninguém quer ficar no chão. A gente pisa em falso porque não enxerga bem os passos e o caminho de Jesus. Erramos de caminho. Atrapalhamos a caminhada uns dos outros. Deus sempre dá a mão para a gente se deixar reconduzir. No sacramento da Penitência celebramos a coragem de pegar de novo na mão de Deus e voltar a andar no caminho dele, que é o caminho da santidade. Pela confissão a gente recupera aquele estado de purificação e santidade que recebemos no Batismo.

Quem inventou a confissão?

Jesus Cristo. Ele sempre convidou a penitencia e à mudança de vida. Ele oferece sempre o perdão. “Arrependei- vos e crede no Evangelho” (MC 1, 15); “Vai e não peques mais” (JO 8, 11); “Estão perdoados os teus pecados” (MT 9,2); “A quem perdoardes os pecados ser- lhes-ão perdoados; aqueles aos quais retiverdes se- lhes-ão retidos” (JO 20,23).

Por que se confessar com o Sacerdote?

Ninguém cresce sozinho, nem na vida biológica, nem na vida profissional, nem na vida cristã. Precisamos uns dos outros. Jesus “deu aos Apóstolos (e seus sucessores) o poder de perdoar pecados:” “a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados” (Jo 20,23)

Atos do Penitente

Para se fazer uma boa confissão é necessário seguir alguns passos que a Igreja nos recomenda. Esses passos são chamados de ATOS DO PENITENTE que são:

  1. Contrição: Consiste “numa dor da alma e detestação da alma do pecado cometido, com a resolução de não mais pecar no futuro”;
  2. Exame de Consciência: Rever tudo aquilo que não agradou a Deus e os pecados cometidos levando em consideração minha relação comigo mesmo, com os outros e com Deus;
  3. Confissão dos Pecados: É a declaração dos pecados ao Sacerdote. Lembramos que é Deus quem perdoa através do ministro ordenado (Sacerdote ou Bispo);
  4. Satisfação ou penitência: A penitência imposta pelo confessor deve levar em conta a situação pessoal do penitente e procurar seu Bem Espiritual;
  5. Esforço de Mudança: Devo esforçar-me para não cometer o mesmo pecado novamente.

Passos para se fazer um exame de consciência:

  • Oração ao Espírito Santo: Peça ao Espírito Santo um bom discernimento para se fazer uma boa confissão. Pode- se rezar a oração do Espírito Santo.

Vinde Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a face da terra. Oremos: Deus que instruístes o coração de vossos fiéis com a luz do Espírito Santo fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito, e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo Senhor nosso. Amém.

Exame de consciência: Siga o pequeno esquema abaixo.  As questões seguintes podem ajudar a refletir sobre as ações pelas quais se deve pedir perdão.

  1. Amar a Deus sobre todas as coisas: Deus ocupa o primeiro lugar em minha vida, em minhas decisões familiares e profissionais? Sua Palavra, seu Evangelho tem valor de decisão sobre a bondade ou maldade de meus atos?
  2. Não tomar seu Santo Nome em vão: Creio, confio em Deus e o amo acima de tudo?
  3. Guardar domingos e dias Santos: Participo de minha comunidade, principalmente das celebrações dominicais? Frequento a missa e recebo a Santa Comunhão?
  4. Honrar pai e mãe: Tenho mantido presença e diálogo dentro de minha família? Tenho cuidado com carinho dos idosos e doentes, principalmente dos meus familiares?
  5. Não Matar: Respeito à vida humana desde a sua concepção? Deixo-me levar pelo ódio, pela agressividade? Tenho me deixado levar pelo instinto de dominação sobre os outros? Procuro reconciliar-me?
  6. Não pecar contra a castidade: Tenho vivido a minha sexualidade com responsabilidade e com amor? Deixo-me levar pelo erotismo e pelo instinto de posse no outro?
  7. Não roubar: Sou honesto e justo em meu trabalho? Aproveitei-me de algo que pertence ao outro? Respeito tudo que pertence ao bem comum do povo? Pago os impostos justos? Tenho explorado o trabalho de outras pessoas? Devolvi o que tirei indevidamente?
  8. Não levantar falso testemunho: Falo e espalho facilmente os erros e as fraquezas dos outros? Difamei gravemente alguém lhe causando prejuízo social? Tenho enganado ou acusado pessoas com mentiras?
  9. Não desejar a mulher (ou marido) do próximo: Tenho traído meu matrimônio com adultérios e outras infidelidades? Tenho sido sincero no diálogo familiar e na partilha dos bens? Deixo-me levar pela ganância de ter sempre mais, sem me importar com os outros?
  10. Não cobiçar as coisas alheias: Sou grato a Deus por minha vida por tudo o que tenho? Vivo reclamando e invejado os outros? Deixo- me levar pela ganância de ter sempre mais, sem me importar com os outros?

Esses mandamentos nos foram dados no Antigo Testamento. Quando Jesus veio até nós. Ele nos ensinou que todos os 10 mandamentos assim como todas as demais prescrições e tradições, estão contidos nestes dois: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda tua alma e com todo o teu entendimento, e a teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22,34-40).

Obs.: As festas de Guarda são:

  • Natal;
  • Primeiro dia do ano dedicado a Maria Mãe de Deus;
  • Epifania (Festas dos Reis Magos);
  • Ascensão de Jesus aos céus;
  • Corpus Christi;
  • Imaculada Conceição (8 de dezembro);
  • Assunção de Nossa Senhora (15 de agosto);
  • São José (Primeiro de Maio);
  • São Pedro e São Paulo (29 de junho);
  • Dia de todos os Santos (01 de novembro) (cf. Catecismo da Igreja católica n°2177).

Oração após a confissão

Sl 31; Sl 50; Sl 97; Sl 99; Sl 118; Sl 102; Sl 144; Sl 145; Is, 12; Is 61,10-11; Jr 31,10-14; Dn 3, 52-57; Ef 1,3-10 e Ap 15,3-4.

Ato de Contrição

Meu Deus, eu me arrependo de todo o meu coração de vos ter ofendido.

Você também vai gostar

A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO A história de um retorno para casa

A Volta do Filho Pródigo

O presente material baseia-se na leitura do livro “A volta do Filho Pródigo” de Henri Nouwen que se sentiu profundamente tocado quando teve contato com a obra de Rembrandt.

Por que vocês rezam o terço?

Escolhemos meditar estes mistérios com a mãe dele, que cremos estar no céu a nos ouvir, porque sabemos que Maria viu tudo, riu, sofreu junto e esteve lá como mãe e primeira cristã. É um exercício de contemplação e de santa imaginação.

Os Avós de Jesus

Ana e Joaquim, sem dúvida alguma, pertenciam ao grupo daqueles judeus piedosos que esperavam a consolação de Israel, e precisamente a eles foi dada a tarefa especial, na história da salvação. Foram escolhidos por Deus, para gerar aquela que iria gerar o Filho de Deus.